segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

De encontros e desencontros

"A amigos ausentes, amores perdidos, velhos deuses; e à estação das brumas. E que cada um de nós dê ao demônio o que lhe é merecido!" - Neil Gaiman

Muita gente reclama da internet. Diz que isso e que aquilo. Que estraga a moral dos nossos jovens e que substitui o fator humano pela máquina. E que sem ver o outro as pessoas são menos confiáveis, e que o que importa é olho no olho. E que isso e que aquilo.

Eu estou na internet desde 1994. Quero dizer, no mundo virtual. BITNET e BBSs da vida. Coisas que alguns dos meus leitores nem sabem que existem. Isso em nada interferiu na minha moral. Ao contrário, o contato com pessoas maravilhosas e horrorosas de todo o país e algumas pessoas de fora do país, como um árabe louco que me ameaçou de morte porque eu não gostava do Romário (jogador de futebol), expandiu meus horizontes e foi meu primeiro passo para me tornar cidadão do mundo.

A internet, até a alguns anos atrás resumia-se a sites de consulta e msn. Aí surgiram os sites de relacionamento: MySpace, FaceBook, Orkut, entre outros. Eu participo do Orkut há anos, e ele me trouxe de volta várias pessoas maravilhosas à minha vida. E aproximou outras com quem não perdi contato, mas cujo contato é difícil. Recentemente, a internet me voltou mais uma pessoa! "Pfeiffer" é como a conhecia. Bem legal ver como ela e eu evoluímos nos últimos 14 anos.

Internet não é um instrumento do demônio para desumanizar a humanidade. É um instrumento humano que, se bem utilizado, leva mais que ao encontro do outro, mas ao encontro de si mesmo nessa busca do mundo. Para tanto, é preciso sobre uma reflexão sobre a prática do uso e do que se encontra na rede. Assim como para crescer como ser humano é necessária essa reflexão crítica sobre tudo o que se faz na vida.

Entendam: um lixeiro que tenha uma reflexão crítica sobre sua prática profissional e sua prática de vida será mais humano que um doutor em filosofia que não tenha a mesma reflexão sobre esses tema, mesmo que possua uma reflexão lógica perfeita sobre os grandes temas da filosofia acadêmica.

Então conectem-se a si mesmos, através de uma prática saudável de vida e da reflexão crítica da mesma, e assim perceberão que se conectarão ao mundo de uma forma única, estimulante e viva.

E, para a Pfeiffer, fica um verso do Vinícius de Moraes: "a vida é a arte do encontro, apesar de haver tanto desencontro pela vida". É um prazer reconhecê-la! :)
Postar um comentário