domingo, 16 de maio de 2010

Ao Léo

A vida, como eu já disse, é uma grande estação rodoviária. Alguns vem, outros vão e alguns ficam algum tempo.

Com passagem marcada há algum tempo, ele se recusou a embarcar e viveu o que pôde nessa grande rodoviária. Lutou muito contra os males do corpo e manteve a esperança quando tudo parecia perdido. Assumiu riscos e ganhou.

E quando ganhou nos deu o maior presente que podia, sua companhia pelo maior tempo possível.

Mas o tempo passa e, como um cobrador, exige que embarquemos e sigamos viagem para um destino que nem sabemos se existe.

Se existir, nos encontramos lá, ao léu.

Obrigado!