quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Irresponsabilidade Religiosa

Como eu sempre deixei claro, eu sou ateu. Considero que considerar (ficou bonito, heim?) a capacidade racional e de percepção de passagem do tempo humana como "alma imortal" é um erro grotesco. Mas para esse post em específico eu considerarei que a alma, no sentido religioso, existe e que ela é imortal e eterna. Por eterna eu considero no entendimento literal da palavra ou como proporção em relação ao tempo de vida. Se sua religião considera que todo o universo e as almas são destruídos quando o deus que sonha o universo acorda, considero que uma existência terrena de 100 anos (sim, exagerado para cima) é uma mera partícula na existência de 13.000.000.000 de anos do universo, tornando a alma eterna em relação a uma existência carnal, ou seja, a única que pode-se ter certeza absoluta.

Então, clarificado que, para esse post, considero verdadeira a existência carnal de 100 anos de E a existência de uma alma eterna, darei sequência à explanação.

Quando seu corpo, cujo tempo de existência é insignificante em comparação ao tempo de existência de sua alma, tem um problema, você procura um médico. Pensemos porque procura-se um médico, ou seja, o que é um médico.

Médico é uma pessoa que estudou para conhecer os sintomas, as doenças e o tratamentos a essas doenças. O médico que você procura não apenas estudou 6 anos na universidade como, em vários casos, fizeram especializações (residências) de, ao menos, 2 anos. Ou seja, no Brasil, um Clínico Geral estudou 8 anos para te atender. O que ele estuda? Estuda o resultado de pesquisas científicas sobre a anatomia humana e de patógenos, suas regularidades e irregularidades e dos tratamentos. Parte desses tratamentos são remédios alopáticos, estudados e criados por químicos, médicos e farmacêuticos. O remédio alopático é aprovado quando o grau de sucesso percentual no tratamento substancialmente maior que o resultado do tratamento com placebo.

Em outra palavras, você procura um profissional cuja profissão é EMBASADA em PESQUISAS CIENTÍFICAS que demonstram que a conjunção de determinados sintomas são sinais de uma determinada doença que é melhor tratada por um determinado remédio, isso tudo com comprovações estatísticas acessíveis.

Já quando você decide cuidar de sua alma eterna, quais são suas exigências? NENHUMA! Você não exige que aquele que tenta te convencer que aquela é a verdade te mostre dados confiáveis. Darei um exemplo mais claro:

Suponhamos que todas as religiões do mundo se resumam a 3: cristianismo, islamismo e espiritismo. Então, a escolha de uma dessas religiões determina o que acontecerá com você, considerando que só possa existir uma religião verdadeira.

No caso, eu escolhi, de propósito, duas religiões que possuem inferno e uma reencarnacionista. No caso, você tem apenas 33,33% de chance de não condenar sua alma eterna ao inferno, ou seja, escolhe a religião verdadeira. Apenas para dar um pequeno vislumbre, dê uma olhada na lista de religiões e na lista de mitologias da Wikipedia. Se você considerar apenas essas possibilidades como as que existem ou já tenham existido e que todas as que existem e que já tenham existido tenham sido registradas, então, considerando apenas as 45 religiões abraâmicas listadas, sua chance de escolher a correta é de 2,22%, ou seja, você possui 97,78% de chance de escolher a religião errada. Em outras palavras, você possui 97,78% de chance de estar cuidando de uma forma muito imprópria de sua alma imortal. E a menos a religião verdadeira seja o Espiritsmo, o Cao Dai ou o Iazdânismo que são as únicas religiões reencarnacionista das 45 citadas na lista de religiões, você simplesmente não terá uma segunda chance de acertar. Em resumo, se uma dessas 3 não forem a religião verdadeira, você tem realmente apenas 2,22% de chance de ir para o local que vão aqueles que deixam deus irado,

E como se escolhe a religião que se seguirá? Ou segue-se a dos pais, ou busca-se aquela cujos dizeres mais te contenta. Mas, em qualquer um desses casos, não se possui a menor indicação, seja probabilística ou lógica, de estar-se fazendo a escolha pela religião verdadeira.

A Irresponsabilidade Religiosa que dá nome a este post encontra-se exatamente no fato e exigir testes e comprovações para cuidar de algo que dura 100 anos (o corpo), mas exigir exatamente nenhum tipo de teste ou comprovação para cuidar de algo que dura eternamente. E isso é uma irresponsabilidade ENORME em relação a si mesmo.

Cabe a cada religioso confrontar seu sacerdote ou seu livro sagrado por esses dados, testes e comprovações. Se o confronto não resultar na demonstração factual de ser a sua religião a verdadeira, continuar nela passa a ser nada mais que um ato de irresponsabilidade com sua alma eterna.
Postar um comentário