terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Nelson Mandela: Um Legado de Grandeza

"Eu estava pensando sobre como alguém passa 30 anos numa cela minúscula e sai pronto para perdoar as pessoas que o colocaram lá" - INVICTUS, fala de Francois Pienaar, interpretado por Matt Damon. (Tradução do autor)

O sistema instaurado pela população branca da África do Sul, o apartheid, não é entendido pela maioria da população do mundo. Em geral, o entendemos como o racismo brasileiro ou a situação do negro no Estados Unidos da América na época de Martin Luther King. NÃO!

O apartheid era mais próximo ao tratamento dado à população judia pelo fascismo dos anos 30 e 40 na Alemanha e Itália que do racismo que existiu e existe nas américas. Também foram criados guetos, registros, discriminação e separação. Também foram promovidos massacres em guetos. Como o fascismo de Hitler e Mussolini, o apartheid também foi endurecendo com o tempo.

Seu grande opositor político, o CNA (Conselho Nacional Africano), fundado em 1912, possuía natureza pacífica até o Massacre de Sharpeville e seu líder, Albert John Mvumbi Lutuli, recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1960 por conduzir a revolta pacífica ao apartheid. A partir do Massacre de Sharpeville, foi criado um braço armado do CNA. Tal braço voltou-se violentamente contra o regime segregacionista. Alguns os chamam de terroristas, outros de resistência. Cabe a cada um escolher o adjetivo que melhor entender.

Mas entre as delícias e os riscos de se lutar contra a intolerância estatal, Nelson Mandela foi preso e ficou confinado durante 27 anos de sua vida. 27 anos em um cubículo, sem os direitos próprios da vida de uma pessoa. 27 anos sem respirar fundo, olhar para o horizonte e simplesmente contemplar a possibilidade de ir até lá andando, sem ser parado por uma cerca ou um guarda. 27 anos de reflexão.

Reflexão que o levou a outro nível de entendimento: o entendimento de que a vingança consumiria mais seu país e seus semelhantes que o próprio apartheid já o tinham feito. Esse é o entendimento que fez de Mandela um grande homem. E é esse entendimento que falta às lideranças contemporâneas.

Não importa se você lutou contra uma tirania, racismo ou sexismo. Se você é comunista, capitalista ou anarquista; do movimento negro, do movimento feminista ou do GLBT. Precisamos entender que a vingança só perpetuará o problema.

Foi por esse entendimento comum que Mandela e de Klerk conseguiram guiar a África do Sul para fora do apartheid e dividiram o Prêmio Nobel da Paz de 1993. E é apenas com esse tipo de entendimento que é possível guiar nossa própria vida para um novo patamar: o do bem estar pessoal e social.

Nelson Mandela é uma figura controversa. De certa forma, sempre foi. Nascido para ser o líder de seu povo, abdicou de seu direito de nascença para se tornar um líder do mundo livre.


Fontes:
Epígrafe
"I was thinking about how you spend 30 years in a tiny cell, and come out ready to forgive the people who put you there."

Prêmio Nobel:
Albert John Mvumbi Lutulihttp:
Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk